Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

Conteúdo produzido pelo CLC Alberto Pereira Aquino.

 

PODER MARÍTIMO

 

        Poder Marítimo, na concepção do Almirante Flores (1972), se constitui na integração dos meios relacionados com o mar, para fazer uso deste visando o progresso, desenvolvimento e segurança de um país e abrange todos os recursos: sua parcela do Poder Militar no mar através da Marinha de Guerra, a Marinha Mercante, as indústrias de construção e reparos navais , os portos, as indústrias de pesca e os meios de exploração e preservação dos recursos do mar.

        O Poder Marítimo é uma expressão do Poder Nacional, resultante de uma série de condicionantes geográficas, históricas e sociais, as quais fazem com que determinadas nações se tornem mais capacitadas do que outras a se fazerem presentes nos mares.

       Alfred Mahan, em seu famoso livro “The Influence of Sea Power Upon History”, publicado em 1890, diz que são as seguintes condições gerais que afetam o Poder Marítimo:

  • Posição geográfica;
  •  Configuração da costa;
  •  Extensão do território;
  •  Grandeza numérica da população marítima;
  •  Caráter nacional e caráter e política dos governos.

    A Escola de Guerra Naval considera uma relação mais longa, que engloba os itens do Almirante Mahan e de outros estudiosos do assunto:

  • Poder Naval, compreendendo as Forças Navais, Bases e posições estratégicas;
  • Força Aérea, baseada em terra, operando sobre o mar;
  • Marinha Mercante;
  • Portos e suas instalações;
  • Estaleiros de construção e reparos;
  • Estabelecimentos e Agência Comerciais;
  • Pessoal.

    Sendo o Poder Naval o componente militar do Poder Marítimo, cabe-lhe a proteção efetiva dos demais elementos desse Poder, bem como a ação direta sobre os elementos do Poder Marítimo inimigo.

 

 

O TRANSPORTE MARÍTIMO NOS TEMPOS DE GUERRA

O COMBOIO
(Não era totalmente seguro) 

 

COMBOIO MARÍTIMO NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

 

TORPEDEAMENTO DE NAVIOS MERCANTES BRASILEIROS – II GM


(OFICIALMENTE SÓ FORAM COMPUTADAS 32 PERDAS)

 

LEI DO MAR (Lei 8.617 de 04/01/1993)